Vídeos ambientais e agroepecuários

Loading...

EU AMO AGRONOMIA

EU AMO AGRONOMIA

Pesquisar este blog

CRONOS - RELÓGIO MUNDIAL

Seguidores

COMO SOMOS AFORTUNADOS

segunda-feira, 1 de abril de 2013

PROGRAMA RIO RURAL JÁ PROTEGE 635 NASCENTES NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Agricultores do programa Rio Rural já protegem 635 nascentes

Seja para o consumo direto, para a produção de alimentos ou qualquer outra finalidade, a água é indispensável em todas as atividades humanas. A conservação deste recurso natural é tão significativa que a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu a data de 22 de março para lembrar sua importância e promover a conscientização sobre o tema. Neste mês, o programa Rio Rural, da Secretaria de Agricultura e Pecuária (Seapec), contabilizou a marca de 635 nascentes protegidas em parceria com os agricultores familiares.

Os produtores aderiram à campanha Água Limpa para o Rio Olímpico, que tem como meta a proteção de 2016 nascentes nas propriedades rurais. Todo o trabalho é realizado com apoio dos técnicos da Emater-Rio, empresa de assistência técnica e extensão rural vinculada à secretaria, e inclui ações de sensibilização e mobilização dos agricultores e parceiros.

Com as ações, cada vez mais os moradores do campo estão valorizando suas nascentes, principalmente quem já passou dias difíceis devido à escassez. Na microbacia Santa Maria, em São José de Ubá, no Noroeste Fluminense, a água dos poços artesianos é salobra, e as poucas nascentes existentes na localidade estão praticamente secas. No entanto, uma nascente abastece dez casas e a escola local. Protegida com recursos do Rio Rural há cerca de quatro anos, a fonte do Sítio Santa Cruz tem a água mais pura da localidade, com qualidade garantida pelo monitoramento realizado pelo programa.

Os 57 alunos da Escola Municipal Maria de Azevedo bebem daquela água. São pelo menos 200 litros por semana, transportados em galões de 20 litros, utilizados também para fazer a merenda. "Se não tivéssemos acesso a esta água, teríamos que comprar água mineral. A água que chega aqui não é boa para o consumo" disse Márcia Valéria da Silva, diretora da escola.

Noêmia Moura Marinho, dona do sítio Santa Cruz, se orgulha de ter um oásis em sua propriedade e divide com os vizinhos o bem que possui. Ela canalizou, de maneira artesanal, a água da nascente até as dez casas da vila, incluindo a sua. São mil metros de mangueira que passam por baixo da terra levando água para estas famílias.

"A água vale muito, eu falo para as pessoas protegerem suas fontes. Depois que cercamos nossa nascente, nunca mais faltou água, nem no período mais crítico da seca" afirmou Noêmia.

Em Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense, o agricultor Genílson de Souza Pinto, 45 anos, é outro exemplo de como a preservação da nascente faz diferença. O Assentamento Santo Amaro, na microbacia Rio Preto, onde ele tem sua propriedade, enfrentou um verão muito seco este ano. Como Genílson protegeu, há três anos, a nascente de sua propriedade, com incentivo do Rio Rural, ele não deixou de ter abastecida sua caixa dágua.

Embora este ano ainda não tenha sido possível plantar milho nem feijão, como Genílson faz nesta época do ano, o produtor teve condições de permanecer em sua casa, para onde se mudou apenas alguns meses depois de proteger a nascente. "Ele não morava no lote porque nos meses secos não tinha água para abastecer a casa" afirmou Geraldo Monteiro, técnico agrícola da Emater-Rio e assessor técnico do Rio Rural.

Antes, por falta de água no local, o agricultor residia com a família numa vila próxima.

No verão de 2013, a chuva só chegou na última semana à microbacia do Rio Preto. O pequeno açude que se forma abaixo da nascente quase secou. "Passou o verão todo e eu não deixei de ter água em casa, para as galinhas e para o gado. Não fosse essa nascente, a gente não podia nem ficar aqui na propriedade. A nascente cercada rendeu porque o mato cresceu e porque os bois não puderam mais entrar. O gado socava a nascente e a água não rendia" explicou Genílson.

Incentivos

Rio Rural oferece incentivos financeiros diretos ao produtor que deseja preservar as fontes de água. Cada agricultor que participa do programa pode receber até R$ 7 mil, de acordo com o perfil de sua propriedade, como incentivo para proteger as nascentes e córregos e adotar práticas de produção sustentável.

A conscientização, no entanto, vai muito além do apoio financeiro. De acordo com o gerente estadual de Desenvolvimento Sustentável daEmater-Rio, Herval Lopes, dos agricultores que aderiram à campanha, 262 protegeram suas nascentes com recursos próprios. Eles foram motivados pelo exemplo de vizinhos ou amigos, depois de participarem de atividades de campo, ou mesmo por vontade individual.

Ações ambientais

O programa Rio Rural atua junto às comunidades das microbacias hidrográficas do estado, onde há um grande potencial de expansão das ações ambientais. Um estudo da secretaria mostra que existem 44.889 quilômetros de rios nessas microbacias, que podem ser preservados ou manejados de modo sustentável. O rol de práticas incentivadas pelo programa inclui proteção de nascentes, recuperação de matas ciliares, áreas de recarga hídrica e projetos de geração de renda com efeitos ambientais positivos.

No entanto, a prática ambiental com maior número de adesões é a preservação das fontes. A área no entorno de cada nascente protegida (um hectare) equivale a um campo de futebol. O cercamento dessas fontes evita a degradação por conta, principalmente, do pisoteio pelos animais. Dessa forma, ajuda a regularizar o ciclo da água e, assim, reduzir os custos de tratamento. Além disso, com a maior disponibilidade de água, diminui os efeitos da seca na pastagem e na lavoura, incrementando a produção agrícola e pecuária.

Água Limpa para o Rio Olímpico

A campanha busca inspiração no espírito olímpico para atingir sua meta. Como a água é um elemento indispensável à prática esportiva, não apenas agricultores, mas também atletas, personalidades, empresas e todas as pessoas preocupadas com o meio ambiente são convidadas a participar. O futebol é um exemplo de esporte que exige uma grande quantidade de água: apenas para irrigação do gramado, são necessários cerca de 40 mil litros.

Enquanto, em condições normais, o organismo de um adulto, composto por 70% de água, perde em média 2,5 litros por dia, apenas durante uma partida de futebol cada jogador gasta cerca de três litros. Além disso, a água gerada na zona rural é utilizada para a produção de alimentos, que fornecem energia aos esportistas e torcedores no país do futebol.

De acordo com estimativas do Rio Rural, o volume de água produzido em 2016 nascentes equivale a aproximadamente 2.600 piscinas olímpicas cheias por ano.

Para saber mais

Veja aqui as nascentes protegidas no Google Earth.

Promova você também a proteção de nascentes, clique para baixar ofolder e o cartaz.

Assista neste link e neste aqui os vídeos com os depoimentos da campanha.

FONTE

Agência de Notícias do Rio

Links referenciados

Secretaria de Agricultura e Pecuária
www.rj.gov.br/web/seapec

Organização das Nações Unidas
www.onu-brasil.org.br

Água Limpa para o Rio Olímpico
www.microbacias.rj.gov.br/campanha_rio_o
limpico.jsp

Agência de Notícias do Rio
www.rj.gov.br

Google Earth
earth.google.com.br

Emater-Rio
www.emater.rj.gov.br

neste aqui
www.youtube.com/watch?feature=player_emb
edded&v=2vxzQd_4Y8E

neste link
www.youtube.com/watch?feature=player_emb
edded&v=bu4MlZuI5Tc

Rio Rural
www.microbacias.rj.gov.br

Veja aqui
www.microbacias.rj.gov.br/campanha_rio_o
limpico.jsp

cartaz
www.microbacias.rj.gov.br/area_arquivo/a
rea_90/cartaz_produtor.pdf

folder
www.microbacias.rj.gov.br/area_arquivo/a
rea_90/folder2pts.pdf

http://www.agrosoft.org.br/agropag/224856.htm?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+agrosoft+%28Jornal+Agrosoft%29

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Solicitamos, tão somente, que não se faça uso de linguagem vulgar!