Vídeos ambientais e agroepecuários

Loading...

EU AMO AGRONOMIA

EU AMO AGRONOMIA

Pesquisar este blog

CRONOS - RELÓGIO MUNDIAL

Seguidores

COMO SOMOS AFORTUNADOS

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

CONSÓRCIO AGROECOLÓGICO VIABILIZA A PRODUÇÃO DO COQUEIRO GIGANTE

Posted: 15 Sep 2010 01:55 AM PDT
Produtividade da cultura é muito baixa, com a introdução de outros cultivos na plantação como mandioca e feijão produtores conseguem pagar os custos da produção e obterem lucro:

Existem dois tipos de coqueiros no Brasil. Os coqueiros anões são destinados à produção de água e apresentam uma boa produtividade, de 100 a 120 frutos por planta ao ano. Já o coqueiro gigante serve para a produção de coco seco e tem uma produtividade muito baixa, de 30 a 40 frutos por planta ao ano, o que está inviabilizando a cultura e fazendo com que muitos produtores deixem de produzir coco.

A Embrapa Tabuleiros Costeiros está introduzindo o sistema de consórcio agroecológico para tornar a produção viável e melhorar a renda dos produtores. Com o espaçamento de dez metros entre os coqueiros, pode-se plantar, principalmente, mandioca, feijão e milho. Outra proposta é o uso da gliricídia como adubo verde e a compostagem orgânica para a adubação.
A Embrapa recomenda, principalmente, o híbrido de Coqueiro Gigante do Brasil com Coqueiro Anão Verde do Brasil para o consórcio agroecológico que é plantado com espaçamento de dez metros entre as plantas. Se não for plantada nenhuma cultura nesta área vazia, ela é invadida por plantas daninhas que danificam o coqueiral. A cultura a ser escolhida para o consórcio depende das condições da propriedade. Pode ser utilizado milho, feijão e amendoim, mas a mandioca é a mais indicada porque suporta melhor as condições do solo arenoso em que os coqueiros são cultivados.

— O produtor fica durante três ou quatro anos plantando coco gigante com mandioca, vai colhendo a mandioca e mantendo o seu rendimento até iniciar a produção do coco. O que está se fazendo de diferente agora é o sistema agroecológico, principalmente para o pequeno produtor, em que se elimina praticamente o uso de insumos químicos e utilizando compostos orgânicos a base de palhada e esterco. Se introduz ao sistema a gliricídia, que é uma leguminosa, plantada na linha de plantio do coqueiro que é periodicamente cortada e serve de adubação verde para o coqueiro. 

Nestes três ou quatro anos, o produtor do coco não teria lucro nenhum, só teria gastos, e com o consórcio ele tira lucro durante todo este tempo com o plantio de outras culturas. No mínimo, os custos de produção do coqueiro nestes quatro primeiros anos seriam cobertos por estas outras culturas como a mandioca — explica o engenheiro agrônomo Humberto Fontes, pesquisador da Embrapa Tabuleiros Costeiros.
 
No mínimo, os custos de produção do coqueiro nos quatro primeiros anos seriam cobertos por estas culturas
 Humberto Fontes,
 da Embrapa Tabuleiros Costeiros

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Solicitamos, tão somente, que não se faça uso de linguagem vulgar!